17.9.08

Novela...

Quase no fim da tragédia...
 
QUALQUER SEMELHANÇA COM A REALIDADE É MERA COINCIDÊNCIA.
 
E agora, mais uma vez juntos, ele e ela - a outra ela - numa discussão sem precedentes dentro do carro, à porta da casa dele, depois de várias doses e muitas verdades.
- E é isso. Não rola mais... eu estou apaixonado por outra pessoa. Não é legal te fazer de besta, mentir, não corresponder aos seus sentimentos...
- E eu to cansada de tudo isso.
- Tudo bem. É por isso exatamente que eu quero parar por aqui, já. Vou atrás do que ando sentindo. Não estou feliz e não estou te fazendo feliz...
- Eu pedi pra que você não confundisse os meus sentimentos e você...
- Eu sempre joguei limpo e sempre fui sincero, mas você sempre, sempre, sempre, fantasia a coisa toda a seu favor. Não sei se não quer ver ou se prefere não acreditar...
- Para de me tratar assim...
- Isso tudo só está acontecendo porque você quer. Preciso de um tempo, temos que parar por aqui. Se eu tiver que voltar, voltarei, pode ter certeza! Se eu descobrir que é com você que eu quero ficar, estarei aqui novamente te pedindo pra voltar. E se a fila já tiver andado, isso é problema meu.
- Tá.
- Não fica assim. Você sabe que eu nunca quis te fazer mal. Você é uma pessoa maravilhosa, encantadora, bem diferente da que eu conhecia antes, porém, não está rolando. Não posso te fazer mal... e sei que estou fazendo.
- Eu sei de tudo isso mas quero você assim...
- Não. Eu não me dou assim. Preciso ser seu por inteiro e não está rolando... é melhor parar.
Silêncio.
Voltou pra casa e tentou dormir. Acordou muitas vezes à noite toda, cada vez com um rosto no pensamento.

Um comentário:

Fábio disse...

Mera coincidência, é? Sei... ;)