10.9.07

Ainda sobre blogs...

É extremamente excitante ver que alguém comentou em seu blog.

Eu comecei a escrever em blogs há muito tempo. Já tive uns setenta, oitenta talvez. Abandonei todos. Cansava escrever pra ninguém. Mas um dia um raio caiu na minha cabeça: "fodam-se todas essas pessoas que dizem que vão comentar e não comentam. Eu vou continuar escrevendo". E assim foi.

Depois disso li uma frase extremamente animadora: o número de comantários não tem a ver com o número de leitores. E é a mais pura verdade. Na última meia-hora passei em uns três blogs e não comentei em nenhum. Simplesmente porque não tinha o que falar. Apenas li, gostei e joguei nos favoritos: eu volto lá qualquer dia. E um amigo me provou a tese qdo entrou comentando meu post no trabalho. E não havia comentário algum no blog.

Isso me animou. Continuei escrevendo e entrei em colapso novamente: meninas. As meninas... uma em especial me enche a vida. E dela partiu a expressão mais doída que já ouvi: "isso é carência. Esse pessoal que faz 'diário na internet' é carente. Precisam de amigos...". Não deixa de fazer sentido, mas não é verdade. Existe algo que algumas pessoas não têm. E outras não gostam porque simplesmente são... são... xá pra lá.

Eu tenho doença de escrever, de ler, de falar, de comentar. Sou "escritor compulsivo". Rabisco o tempo todo e escrevo até letras de música para comentá-las. Rabisco e penso... desenho, escrevo, imagino, assumo personagens, enfim. É uma doença... e nem todo mundo consegue entender isso.

Qdo comecei esse blog ele tinha outro intuito. Era de provocar mesmo... tb estava puto com o governo, com o Lula, com o Brasil. Mas vi que estava me tornando alguém extremamente chato. E mudei o sentido da coisa. Ainda comento política, mas não como um jornalista frustrado, chefe de redação e editor-chefe do próprio blog. Comento como humano. Cidadão. Comento como isso influi no meu dia. E isso fez o blog ser mais legal.

Saí a procura de outros blogs e presenciei algumas surpresas dos blogueiros a quem deixava comentário. Vi que é daí que partem os outros comentários. E estou profundamente feliz com o "crescimento" do meu blog.

E sinto, lá no fundo, que esse papo de CNB está me subindo á cabeça. E continuo pedindo apoio.

Abraço!

Um comentário:

garrafa e mar disse...

Ora, e a Internet é traiçoeira ... basta só um leitor, um clic e pronto: teu texto pode explodir de vez! Aqui, dondé q tu arranjou acento no Aldrin? lá no link?
abraços