24.11.08

Do fim do mundo (ou do amor louco...)

Do fim do mundo (ou do amor louco)

Não sei quem sou eu pra poder julgar ou dissertar qualquer palavra pra falar de amor. Poemas, textos, músicas, melodias ou livros que tentem se aproximar do significado do sentimento mais inexplicável já vivido pelo homem na terra sempre deixam a desejar. Não que não digam nada, mas sempre deixam algo faltando. E será assim sempre. Não tem como resumir AMOR ou AMAR alguém. Cada um ama a seu jeito... mas tem gente que extrapola.

Não quero julgar, como já disse. Não quero fazer piadinha, embora, mesmo sem intenção, esse texto comece a ficar bem humorado desde já. Mas a verdade é absoluta: o Marcelo Camelo está surtando!

Ele é prova viva do que é orgulho ferido. Após o recesso anunciado do Los Hermanos, cada um dos seus integrantes se dedicou a um projeto. O Amarante com a Orquestra Imperial, com Devendra Banhart e até com integrantes do Strokes. O Medina manda muito bem no blog dele, acompanha vários músicos de renome na MPB e está conhecendo o mundo tocando teclado. O Barba tem o Jason, muito boa banda também. E o Marcelo Camelo... bem... o Marcelo Camelo é o Marcelo Camelo.

Primeiro veio o disco solo. Um flerte entre surrealismo e Los Hermanos. De fato é um disco que não caberia na banda. É bom, porém, "avarandado" demais. É leso, lento, cansativo. Como se não bastasse, deu pra fazer shows de chinelo, violão e banquinho - um Juca Chaves acariocado. Com o perdão do neologismo.

A crítica não caiu matando, mas umas matériazinhas pertinentes trataram de dar uma sapecadinha no músico. Tudo bem... acontece. Mas aí veio "Os Imprevisíveis". Essa sim! Um misto da banda do Chaves (como classificou muito bem o Marco) com porra nenhuma. Barulheira infernal e descompromissada. Sem mérito algum... bem pelo contrário. Mas não parou por aí...

Ele foi pra internet e fez uma "orquestra" com vídeos do youtube. Nesse momento ele já se dizia maestro e teve a infelicidade de responder com uma piadinha sem graça a pergunta já sem graça de um jornalista do O Globo:

"- Qual o objetivo da orquestra?
- Dominar o mundo."

U-hu! Há tempos não vibrava tanto...

Mas hoje a bomba deu-se por completo. Marcelo Camelo, músico conceituado, cabeça ativa de uma das maiores bandas da atualidade, não está em seu juízo perfeito. Volto à dizer que não quero dizer que não é amor e nem julgá-lo por amar (ou não) a pobrezinha recém-lançada diva do folk nacional (!?), Mallu Magalhães. É que é coisa de louco!

Louco é pouco! Isso pra um ser humano normal seria, ao menos, pedofilia. Ela tem 16 e ele 30! O que será que eles conversam? O que será que eles sonham? Quais os planos que eles fazem? Casar? Ter filhos? Ou será que ele tá xavecando pra deflorar a pobrezinha? O que é que deu no Camelo? Seria o fim do mundo? Eita Jeová!

Eu que não entendo mais nada! Eis o que orgulho ferido pode causar em humanos antes considerados brilhantes. Ele tá se enfiando na lama! E sozinho! Daria o mundo pra ouvir o que o Amarante e o resto do Hermanos pensa disso... é coisa de louco mesmo... sem comentários.

Deixo aqui meu apelo urgente ao pessoal do Los Hermanos: LIGUEM PRA ELE AINDA HOJE! Peçam pra se reunir, pra tentar voltar, pra gravar um Acústico! Se ele continuar nessa de não ter nada pra fazer e querer brigar o tempo todo por mídia, não sei o que acontecerá. É imprevisível (juro que isso não foi um trocadilho)... o mais aceitável agora, seria, no mínimo, uma parceria com o Amado Batista, Agnaldo Timóteo ou sei lá o quê...

PuLtaqueoparil!

2 comentários:

Marco disse...

HEOehoEHOheoHEOhuahUAHuahUAHOohOEHOehuhaUAHuha

BRAVO!!!!

Fábio disse...

Hahahaha, genial! Assino embaixo: é com pesar que também constato que o Marcelo Camelo ficou maluco. Doidinho de dar dó, coitado. Pirou!

Eu estou beeeeeeeeeem longe de ser reacionário, juro por Deus, até me considero bem liberal, mas e os pais da tal Mallu, hein? O que será que acham do namoro da filha de 16 anos com um cara de 30? Eu, hein!

Ajudem o Camelo, peloamordeDeus!