21.10.09

A blusa

um homem não pode amar duas mulheres ao mesmo tempo. ele pode amar uma e gostar da outra, querer ter por perto ou coisa assim. falo isso por mim. eu saia com três mulheres desde que me separei a última vez. gostava das três, mas cada uma de um jeito diferente... uma porque era mais gostosa, outra porque me acompanhava nos bares da vida a outra porque era linda e trepava como ninguém, enfim. cada uma com sua peculiaridade, cada uma com seu cheiro, seus modos, seu sexo, seu jeito de gostar de mim. e tudo corria as mil maravilhas, tudo ia muito bem até que um dia minha ex-mulher me ligou. eu senti na voz dela que o tempo que tínhamos dado um ao outro chegava ao fim e que realmente precisávamos muito um do outro agora. percebi que ela tinha vontade de reatar e de tomar novos rumos, traçar novos planos, olhar as coisas com outros olhos. não posso negar em momento algum que amei loucamente aquela mulher. e não posso negar que estava muito fácil ceder a todos esses encantos novamente e retomar um amor que eu jurava estar morto. ou pelo menos morrendo. e foi o que eu fiz. mas fiz do meu jeito: na canalhice.
saia com as quatro garotas, comia as quatro garotas, inventava quatro desculpas, quatro declarações, quatro apelidinhos carinhosos e quatro maneiras de trepar. revezava os dias da semana e reservava um tempo pra cada uma a cada fim de semana. nos outros, eu sempre tinha o que fazer. mas tudo na vida passa e essa febre de fornicação barata passou.
eu comecei a não ver mais graça em todas as meninas, descobri umas trapaças aqui, outras acolá, me senti traído (mesmo traindo todas ao mesmo tempo), me tornei um pouco mais amargo e fui riscando a minha lista. claro, dei prioridade a minha ex-mulher. ela era o que eu queria. pelo menos parecia ser.
tirei a que me traiu primeiro e resisti às investidas dela. a segunda, por ser meio fresca demais e imatura o suficiente pra não entender a minha situação - eu não sou egoísta, só costumo pensar primeiro em mim. a terceira... bem... a terceira eu não consegui riscar de lista. ela me fazia bem, de um jeito ou de outro. estava sempre ali, me queria o tempo todo com ela, me enchia com os problemas que ela criava e não existiam, me pedia solução, não dava um passo sem mim e isso me cativava. sempre gostei da idéia de ter alguém que precisasse muito de mim. mesmo sendo só pro meu prazer e meu deleite - só pra poder jogar na cara de alguém que esse alguém não viveria se eu não estivesse perto.
eu amava de fato minha ex-mulher, mas nutria algo por essa terceira. um carinho, um cuidado. talvez só o fato de precisar dela por mera vaidade, confesso. fiquei com as duas. e estava tudo bem até eu começar a sentir que só o fato de pensar na tarceira já me fazia um filho da puta ainda maior. pior que isso: eu comecei a me sentir errado. mas superei tudo isso num primeiro momento, insisti na idéia e continuei saindo. mas as coisas entraram no eixo do outro lado e eu comecei a fugir da garota sempre. ela percebeu, eu menti. disse um monte de baboseira pra que ela fosse cativada novamente e deu certo. e eu fugi mais. e ela sofreu um bocado e mesmo assim saiu comigo no meu aniversário, me encheu de presentes, me chupou, me fez gozar três vezes, disse que me amava e que queria viver comigo pra sempre. eu não disse nada. e acabou que sumi de novo.
esses dias a encontrei. precisava acabar com aquilo de algum jeito. disse o que tinha pra dizer, a deixei no ponto e ia saindo quando ela me chamou de volta. me disse, olhando nos meus olhos, com os olhos marejados, a boca meio trêmula, "eu me decepcionei muito com você". "você teve sua chance", eu disse, "talvez não tenha aproveitado tão bem quanto deveria" - egoísmo, talvez eu entenda mesmo disso. ela se calou como que engolindo qualquer "vai tomar no cu" que pudesse escapar. "minha maior frustração é não te ver com a blusa que eu te dei". eu silenciei, a beijei no rosto, ela subiu no lotação e seguiu. eu fui em frente, pensando, triste e meio perdido. até que caiu a ficha.
voltei correndo no mesmo ponto, peguei o lotação que vinha atrás, acompanhando a outra apavorado, com pressa, torcendo pra que desse tempo. a vi descer no ponto, dei sinal ainda olhando pra onde ela iria. corri o máximo que pude, me coloquei na frente dela. notei que ela chorava desamparadamente. eu não disse nada. abri a mochila, coloquei a blusa, fechei o zíper, a beijei na boca com todo o sentimento que ainda restava em mim, pedi desculpas por tudo e saí.

5 comentários:

Eliéser Baco disse...

Um norte é sempre um espaço que olhamos e nos encontramos, após o caos que tomou conta por um tempo deixar de criar tempestade. Nossa máscara sempre cai diante do espelho, naquele momento em que nos olhamos verdadeiramente, encontrando o norte ainda envolto a neblina, envolto pois estamos a nos perder. Perdidos, erramos, nos machucamos e o pior: corremos o risco de machucar quem nos quer bem. Meu ponto de vista hoje é claro e objetivo após tomar tijoladas da vida e responder criando tempestades firmes e caóticas: Valorizo quem me valoriza, e ponto. Com amigos, com colegas, com familiares e principalmente, com alguem que queira compartilhar a vida comigo. Não valorizo quem despreza qualquer coisa minha que tenha valor e qualidade. Isso serve para o meu rock'n roll, para a guria que estou interessado, serve para familiares que ja me sacanearam na potencia 10 da matemática. Somente assim, encontrando nosso norte e valorizando quem nos valoriza conseguimos escapar de mais tempestades, e evoluir em tudo na vida. O que posso dizer do post amigo Aldo: Plante e colherá, cedo ou tarde. Seja o que for, evolua a cada colheita, e ainda é tempo, sempre é tempo.

Eliéser Baco disse...

Parabens pela peça de ficção uma vez mais amigo Aldo. Que os temas que comentei anteriormente fiquem gravados como primordiais a personagens por ti criados, como estas personagens elencados neste post ficcinal. Abraço e até.

Xande disse...

Muito bom mesmo!! não consigo descrever como fiquei preso pela história!! Vc está escrevendo muito bem filho da puta!! só tou aqui pra mandar um parabéns!! e qdo eu estiver em sp marcamos de tomar umas!!!
Abraços!!

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.