23.4.08

Da vida...

Nunca me disseram que seria fácil e eu jamais suspeitei que fosse o contrário. Sabia das dificuldades que enfrentaria. Sabia que desafios e mais desafios estavam por vir e que eu teria que superá-los, um a um, dia após dia, se quisesse chegar onde queria. E assim eu fui. Preparado para as tragédias cotidianas, para os erros, para o pior. Mas não sabia que estava errando desde o começo.
É a tal história de "quem não quer perder aquilo que já tem e fecha a mão pro que há de vir". Nessa de ficar sempre mirando o pior e vencendo os obstáculos, me esqueci de olhar pro lado e perceber as oportunidades que a vida me deu. Esqueci. Simplesmente ignorei o fato de que as oportunidades aparecem e PRECISAM ser aproveitadas. Perdê-las pode significar grandes problemas futuros. E aqui estou mais uma vez...
Errei em muitas coisas. Acertei em outras poucas vezes a decisão a tomar. Remexi, inventei, fugi, encobri, enrolei... fui indo e indo e indo, pesado e lento, quase me arrastando. Achei que a coisa se resolveria. Achei que tudo daria certo no final. Só não sei quando é que esse final chegará e, até lá, vou eu, pagando e corrigindo o que não deveria sequer ser um erro ou um problema.
As oportunidades que deixei passar, infelizmente, não voltaram mais. A vida não pára. Ela te empurra pra frente e você dá os passos para guiá-la. Eu, infelizmente, não dei só passos corretos. Hoje esses passos incertos significam tudo a minha volta. Tudo. Cada momento, cada dor, cada lágrima, cada sofrimento. Eu não sabia e nem teria como saber, porém, podia ter acertado se abrisse os olhos para o que acontecia a minha volta. Não o fiz. E hoje terei de fazer, sabe Deus de que jeito, com que essas coisas, esses "fantasmas" do passado, se resolvam.
Eu não tinha o que postar. As fotos de Salvador não estão comigo ainda, nem lembrei de trazer o CD, não há muita novidade a ser dita e eu estou um pouco inconformado com a atual situação da minha vida. Como se lamentar não adianta porra nenhuma, escrevi. Escrevi pra tentar explicar o que sinto - e fazer valer a extrema necessidade que o homem tem de se comunicar - e alertar a todos sobre os possíveis erros nessa estrada e o significado deles em nossas vidas.
É duro. Dá vontade de largar tudo, de desistir... mas, sempre há alguma coisa que te motive...
Hoje é um dia especial: 23 de abril, dia de São Jorge. Sou devoto de São Jorge, mas antes de saber que ele era São Jorge, soube que, no Candomblé, ele é o Oxóssi, o orixá caçador. Esse sincretismo deve-se ao fato de o Orixá e o Santo terem características em comum... o fato de um ser caçador e o outro guerreiro, as armas, as qualidades, enfim... Mas, acima de tudo, esse sincretismo foi adotado devido ao preconceito que os escravos enfrentavam em seus cultos afro-descendentes. Para "driblar" os senhores de engenho, os negros começaram a unir os santos católicos aos orixás da África. Daí vem o Candomblé e a Umbanda que, ao contrario do que muitos pensam, são religiões BRASILEIRAS, e não existem na África como existem aqui. Enfim... É só uma introdução necessária.


Oxóssi


São Jorge

Deixo no blog minha homenagem ao meu pai e padroeiro São Jorge, que ele me proteja sempre, proteja os amigos que passam por aqui, abra nossos caminhos e, acima de tudo, nos mostre a luz e a força para fazer dessa a nossa mais importante e significativa caminhada.

Okê... Okê Cavaleiro de Aruanda! Okê... Rei dos Caboclos e das Matas! Senhor Oxossi, que as suas matas possas estar repletas de Paz, Harmonia e Bem-Aventurança. Meu Pai Oxossi, Rei dos Caçadores, não permita que eu me torne uma presa dos malefícios nem dos meus inimigos. Okê, Okê, meu Pai Oxossi! Rei das Matas de Aruanda. Okê Arô!

2 comentários:

Daniela Dias disse...

Oi! obrigada pelo comentário no meu blog. Sabe, é sempre bom saber que mais alguém lê as besteiras q a gente escreve =)

Olha, São Jorge é um bom padroeiro. Minah mãe era devota dele, quando viva, e sempre dedicava a esse santo rosas vermelhas lindas, cheias de força guerreira. Lembranças de infância.

Abraço =)

Fábio disse...

Desesperar jamais, já diria o grande Ivan Lins. Força aí!

Independentemente do que tenha acontecido, tenho certeza de que vai passar. Como tudo passa, né?

Abraço, cara!